Itabuna - Bahia - Brasil, . Seja Bem-vindo!
Clique e confira!!!
www.itabuna-ba.com.br

Caixa Preta Itabuna - A terra onde nasceu Jorge Amado e o site Lennon Brasil.
Página Inicial

Coloque o site ITABUNA-BA como sua página inicial

Horóscopo
Não saia de casa antes de saber o que há para o seu signo!

O Tempo
Previsões para Itabuna pelo ClimaTempo.com.br

Tradutor
Navegue por páginas estrangeiras com o BabelFish Translate do Altavista.

Especial
Qual o disco da sua vida?

GACC Itabuna
Grupo de Apoio à Criança com Câncer. Um pequeno gesto pode significar muito!
<<< Volta
A História de Itabuna

O Rio Cachoeira

      O Rio Cahoeira nasce nas fraldas da serra do Itaraca, no município de Vitória da Conquista. Depois de banhar parte deste município, entra em terras de Itambé, penetrando no município de Itabuna com a denominação de "Colonia", nome que lhe deram o capuchinhos italianos, quando por ali andaram, em meados do século XVIII, em missão de catequese. Como "Colonia", banha o atual município de Itajú antigo distrito de Itabuna, e depois de receber as águas do "Salgado", o seu mais importante afluente, pouco acima de Itapé, muda de nome, passando a ser, "Cachoeira"até desaguar no Oceano Atlântico. Antes da entrada do porto de Ilhéus, une-se aos rios "Santana e Fundão, formando a chamada 'Coroa Grande".

      Nesse percurso, da serra de Itaraca até o Oceano, através mais de 300 quilometros, as suas águas regam uma das mais importantes regiões da Bahia, sendo o fator principal para subsistência de duas grandes riquesas do Estado: Cacau e pecuária. Curiosidade, apesar de seu nome, o rio não possui ao longo do seu curso, nenhuma cachoeira importante. Muitas ilhas, por outro lado, pontilhavam o seu leito: Mutucuge, Marimbêta hoje a popular "Ilha do Jegue", Sequiero Grande, Bananeiras, Sempre Viva, Quiricós e outras. De todas, existem apenas vestígios.

      O principal afluente do Cachoeira é o "Salgado", que antes de lhe despejar suas águas tem a oportunidade de banhar terras de Ibicaraí, Floresta Azul, Firmino Alves, Itororó e Santa Cruz da Vitória. São ainda seus afluentes, "Piabanha", "Catolé", "Duas Barras", "Sucuriuba", "Ponte", "Sapucaia", "Areia", "Primavera", "Jacarandá" e "Cachoeira", o qual para alguns, passa por ter sido a origem do atual nome de Itabuna. A história do Rio Cachoeira começ justamente onde termina seu curso: a entrada do porto de Ilhéus. Ali, em 1535, suas águas foram testemunhas da chegada de Francisco Romero, que vinha tomar posse das cinquenta léguas de terras doadas por D. João III, pela Carta Régia de Portugal, Jorge de Figueredo Correia e que se constituía na Capitania de S. Jorge dos Ilhéus. Este rio assitiu e acompanhou, ainda, as lutas dos donatários e ouvidores da capitania, contra os terríveis Aimorés, Tupiniquins e Guerens, guradando na lembrança das suas águas os nomes de Lucas Giraldes, D. Helena de Castro, Braz Fragoso, Vasco Fernandes Coutinho, Antônio da Costa Camelo, Luiz Freire de Veras, Francisco Nunes da Costa, Balthazar da Silva e outros. Em 1595, suas águas deram passagem aos hereges franceses, que saquearam e devastaram a pequena aldeia de Ilhéus. Mais tarde, abrigariam também os soldados da esquadra do almirante Lichthardt, que desembarcaram no Pontal, fazendo dali a cabeça de praia par o assalto e saque de Ilhéus. Em ambas as invasões, os estrangeiros foram heroicamente repelidos pelos poucos habitantes da Vila, com intercessão da Virgem Maria, originando-se daí a lenda e culto de N.S das Vitórias. Segundo o Dr. Francisco Borges de Barros, no livro "Memórias do Município de Ilhéus", edição de 1915, foi em 1553 que tiveram início as explorações nas margens do Cachoeira.

      Apenas uma parte, a que era navegável, ou seja o trecho entre Ilhéus e Banco da Vitória era conhecido e explorada. Já nesse tempo, o Padre Luiz Soares de Araújo, referindo-se ao rio escrevia: "Caudaloso rio chamado o da Cacheyra da Vila, capaz de navegar sumacas, barcos, lanchas e canoas; não há quem lhe saiba o seu princípio, por vir muito de detrondo Sertão e que todos afirmam que vem das minas...". A incumbencia de exploração e catequese nas margens do Cachoeira coube ao Padre Manoel da Nóbrega, juntamente com os catequistas Francisco Pires, Aspicuelta Navarro, Manoel Chaves e outros. Os trabalhos dos jesuítas se desenvolveram mais para as regiões de Porto Seguro, Itacaré, "Boipeba", Cairú e Canavieiras, mas alguns deles se ocuparam dos índios que viviam nas margens do rio, no seu referido trecho navegável.

      Mais tarde, 1570, durante a época das "bandeiras", uma dessas expedições chefiada por Martins Carvalho, penetrou pelas margens do rio indo até a um ponto além do Banco da Vitória. Um personagem de destaque nas expedições ao longo das margens do Cachoeira foi o capitão português João Gonçalves da Costa. Contam-se várias histórias a respeito da ação devastadora contra os índios, destacando a sua crueldade contra os mesmos, a ponto de A. de Saint Hilare, no seu relatório "Voyage ou Perou, "assim se expressar: "o quadro de destruição e atos de selvageria praticados por João Gonçalves da Costa, contra os fracos restos de índios das margens do Cachoeira e Rio de Contas, desafia ao mesmo tempo a sensibilidade do homem de coração bem formado".

      Em "Capitania de São Jorge dos Ilhéus", o Dr. João da Silva Campos registra também a ação devastadora praticada contra os índios guerens pelos paulistas, chefiados por João Amaro, espcialmente contratados pelo governador da Província, Afonso Furtado de Mendonça. Muito sangue, muita crueldade e as vidas de milhares de índios foi o preço da conquista e exploração das margens do Cachoeira. No princípio do século XVIII, os frades capuchinhos deram início e catequese dos poucos índios que sobreviveram as carnificinas de João Gonçalves e João Amaro. Do trabalho catequético desses piedosos e bravos frades, foram surgindo ao longo do curso do Rio Cachoeira, aldeias, povoados, colonias e missões, entre estas: Banco da Vitória, Cachoeira de Itabuna, Ferradas, Cachimbos, Catolé e outras.

      Uma destas povoações muito progrediu, foi a de Cachoeira de Itabuna, no tempo de Weyll e Samaraker, colonos estranfeiros que fundaram ali nas margens do Cachoeira e seu afluente "Itaúna", uma colonia que ficou muito afamada pelo desenvolvimento da cultura de cana de açúcar, arroz, cacau e fumo, produtos que chegaram a ganhar medalhas de ouro nas exposições de Viena, Turim e na Côrte do Brasil. Também a povoação do Banco da Vitória conheceu um surto de progresso, servindo como nosso primeiro porto fluvial.

      Entre os muitos que morreram afogados nas águas do Cachoeira, um deles ficou na história, foi o nober frade capuchinho Luiz de Grava, no dia 19 de abril de 1875, quando viajava de canoa com destino ao arraial de Tabocas. Entre as Ilhas formadas pelo Cachoeira, uma delas tem uma história muito nossa conhecida. É a Ilha do Jegue, que já se chamou "Ilha da Marimbeta", "Ilha do Temístocles" e "Ilha do capitão Aristeu", porque ela foi testemunha da chegada de Félix Severino e Manoel Cosntantino, pioneiros da corrente migratória sergipana rumo a Itabuna, ouvindo bem próximo de si o barulho da derruba da primeira árvore que serviu de marco de uma cidade que cresceu com o tempo e se transformou na grande e bela cidade de Itabuna.

      Em 1914, registra-se a primeira grande enchente do rio Cachoeira. Fortes chuvas desabaram sobre a ragião, durante 11 dias, resultando num alagamento geral e destruição de tudo que existia próximo às suas margens, sofrendo com isso Itabuna, que começava a surgir, a perda de suas primeira ruas. Foi a maior enchente até poucos dias. Muitas e muitas enchentes seguiram-se a esta, uma delas entretando ficou famosa: a de 1920, porque batizou a nossa falada ilha. A "Ilha do Capitão Aristeu", passou a ser chamada "Ilha do Jegue". Um jumento ficara preso na dita Ilha, sendo alvo de compaixão e curiosidade públicas, durante 4 dias, sendo salvo depois que as águas baixaram e recebido por uma grande multidão que lhe deu as honras de um "herói".

      Em 1947, a ponte Lacerda, recém-construída, serviu de barragem para a grande quantidade de "baronesa", capim "amazonas"e outros vegetais que o rio transportava. As águas represadas invadiram as partes mais baixas da cidade. Foi grande a destruição na Mangabinha, Burundanga, Bananeira, Berilo e outros bairros ribeirinhos. Em 1964, novamente as águas do Cachoeira estiveram em fase de enchente, voltando a causar prejuízos nos mesmos lugares anteriormente atingidos. Um ano depois ou seja em 1965, mês de novembro, o Cachoeira pegava novamente Itabuna, chegando a alagar a Avenida do Cinquentenário. Foram grandes os prejuízos. Ultimamente, dezembro de 1967, segundo registros históricos, muito superior a todas as enchentes foi esta última, cujos efeitos ainda estão bem vivos na memória de todos.




Celular quase de graça!
RAKU'S
Intellisys
CONHEÇA A BAHIA !

Lista
Itabuna

Faça parte da nossa turma! Cadastre-se na Lista Itabuna preenchendo o campo abaixo e seja bem-vindo!
Uma lista para a Uesc
Uma lista só sobre a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Inscreva-se preenchendo o campo abaixo com o seu e-mail e nome. Automaticamente você passará a receber mensagens da LISTA UESC, e poderá enviar também. Seja bem-vindo ! Para entrar na lista preencha com seu E-mail:


[Home] [História] [Economia] [Curiosidades] [Localização] [Fotos] [Personalidades] [Lugares] [Fórum Itabuna] [Lista Itabuna] [Webradio] [Anuncie Aqui] [Créditos] [] [Produzido pela CAIXA PRETA]